Mestrich Motta fala sobre o governo Brasileiro

Antes de colocar a minha opinião sobre o novo governo, queria dizer que entendo que alguns que eram contrários ao impeachment, também não aprovavam o governo petista…. Entendo também que estejam ressentidos com a derrota….

Eu também fiquei assim em 2014 quando os tais 54 milhões chancelaram um governo que já dava demonstrações inequívocas de incompetência e as primeiras provas de que o seu projeto de poder tinha sido lastreado por um esquema de corrupção “jamais visto na história deste país” já eram visíveis.

Mas tais fatos foram infelizmente ignorados naquele momento pela maioria.

Agora, amigos a favor da manutenção do governo petista, está na hora de vocês entenderem que os que apoiam o impeachment não apoiam o Temer incondicionalmente…. 
Não tenho dúvida que o processo de impeachment foi político.

Mas tenho menos dúvidas ainda que a Dilma e sua gang não passam de um bando de criminosos imorais.

Criminosos que foram pegos e que portanto serão punidos. Sendo assim, a queda deste governo era uma questão de tempo.

Fosse por crimes financeiros, como as pedaladas, fosse pelos crimes de corrupção, abuso de poder, etc.

Some-se a isso a total falta de governabilidade, que parou o país e está fazendo o povo, especialmente os mais pobres (pausa poética para um suspiro desalentador…) sofrerem e verem todos os seus avanços desmoronarem.

Portanto, melhor para a o país que o impeachment acontecesse o mais rápido possível… 
Agora voltando para o novo presidente… lembrando sempre que quem colocou o Temer lá foram os tais 54 milhões.


Ele é a opção ideal? Claro que não! Mas ele é melhor opção neste momento, é o que tem pra hoje, infelizmente.


E o momento é de fazer do limão, uma limonada, ou seja, ficar em cima e garantir que ações importantes de curto-prazo sejam tomadas.


É claro que será um período em que deveremos tapar o nariz e conviver com o mal cheiro de termos ministros investigados pela lava-jato (mas isso não é novidade, certo?) 


Não podemos focar em discussões inócuas como a falta de mulheres e negros no ministério ou a fusão do ministério da cultura com a educação. Isso é cortina de fumaça para não endereçarmos os temas que realmente precisam da nossa atenção. 


Temos um paciente infartando, não dá para ficarmos cuidando do dente cariado, por mais que ele incomode.


Para ficar claro, sou absolutamente contra termos investigados no governo, e não só nos ministérios..


Mas como o bom é inimigo do ótimo…. Teremos que engolir alguns sapos…
A minha visão é que um ministério político foi uma decisão sábia neste momento, especialmente se estes políticos se cercarem de um staff técnico e competente.


A agilidade para passar as medidas no congresso é um fator crítico de sucesso neste momento e um ministério com viés político pode contribuir muito.


Medidas duras terão que ser tomadas, e o país vai sofrer até conseguir se reencontrar. 
Tenho convicção de que a queda de Dilma e a destruição do PT não soluciona todos os problemas do país.

Temos um problema estrutural, que passa pela forma como as instituições estão desenhadas, pelo tamanho do Estado mas que decorre principalmente de um elemento cultural brasileiro de aceitarmos desvios de caráter e nos curvarmos diante dos desmandos de um grupo de políticos que usam de suas posições para benefício próprio em troca de assistencialismo e esmolas.

Precisamos mudar a cultura egoísta que nos permeia, do cada um para si e Deus para todos e passarmos a valorizar os benefícios que uma sociedade evoluída, que valoriza o certo em detrimento do fácil pode trazer.

Sei que não é fácil, pois nunca tivemos isso. Mas as manifestações deste ano, que culminaram no afastamento da Delinquenta e sua corja, mostram que uma mudança ainda é possível. Precisamos continuar mobilizados e atentos ao novo governo. 


O Brasil precisa de uma agenda positiva, independentemente de partido e ideologia, que enderece os grandes temas de forma pragmática e ágil.

Nós, os cidadãos comuns, temos que fazer a nossa parte e continuar indo para as ruas a qualquer indício de que o trem esteja saindo dos trilhos.

E que na próxima eleição tenhamos a consciência e sabedoria para buscarmos algo novo. Quem sabe até lá a reforma política tenha passado e tenhamos novas opções… Como o otimista é um tolo e o pessimista é um chato, eu vou continuar sendo um realista esperançoso..

Sobre o autor: Quem é Luciano Mestrich Motta?

Luciano Mestrich Mottahttps://lucianomestrichmotta.com/
Luciano Mestrich Motta Consultoria de Finanças e Controladoria ✓Executivo com mais de 25 anos de Carreira. Experiência extremamente diversificada e abrangente na gestão de empresas de diversos ramos de negócio: investimentos financeiros, properties, incorporação imobiliária, cimento, energia, concessões rodoviárias e construção pesada. Especialista em fusões e aquisições de empresas, tendo liderado algumas das maiores transações de venda de ativos da história do Brasil.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Related Articles